Instagram Momentum Fotografia

WS O Tom do Teles

sexta-feira, 24 de março de 2017

Sensualidade na medida


A luz tem "o papel" na fotografia, mas na fotografia de moda, quando se deseja uma pegada mais sensual, a luz é o elemento que pode fornecer exatamente o que você ou o cliente deseja, ou simplesmente "matar" o seu trabalho pois não lhe permitirá criar a emoção desejada no seu observador.

Quando chegamos à nossa locação do projeto #oTomDoTeles para fotografar a nossa top Isabela Gamellone (não a conhecíamos pessoalmente ainda), vimos uma menina que tinha pouco tempo feito 18 anos.

Ainda não tínhamos fotografado em nosso projeto uma modelo tão nova assim. E ficamos com a seguinte pergunta:

Como criar sensualidade, em uma modelo tão nova, sem forçar esteriótipos ou criarmos uma personalidade ao invés de capturarmos a personalidade da modelo (esse é objetivo do projeto)?

Fizemos como sempre, começamos o aquecimento fotográfico em frente à uma das portas dos vários casarões do Arco do Teles, e fizemos os primeiros clicks para conhecer a consciência corporal que a modelo possuía.



Após alguns clicks, e a modelo ficar mais relaxada, começamos a estudar a luz que poderia dar "o tom" desejado e em harmonia com o projeto.


Para a nossa top Isabela Gamellone, usamos a luz natural como luz de recorte e usamos o flash externo como luz de preenchimento. Configuramos o balanço de branco para  day light e mantivemos o ISO em 100, abertura 2.8 e velocidade 160.


Como sempre usamos duas lentes com foco fixo durante o ensaio, uma 35mm 1.8 e uma 50m 1.8. Essas lentes criam dois momentos fotográficos onde o primeiro a modelo faz parte do contexto e com a lente 50mm, a modelo é o contexto.


Com essa luz e setup da câmera, a direção de modelo definiu a pegada do ensaio, criando exatamente "o tom" de sensualidade, sem exageros e de forma natural, onde foi possível capturar a personalidade da nossa modelo.



Espero que curtam o ensaio continuem nos acompanhando em nosso Instagram.






Até a próxima!

segunda-feira, 13 de março de 2017

Muitos lugares, em um só lugar


Ao fotografarmos imprimimos nosso olhar e bagagem cultural em nossas imagens. Isso já sabido por todos nós fotógrafos.

Mas quando uma modelo posa para um trabalho autoral onde não existe um editorial definido em termos de poses, e ela pode conjugar a direção de modelo do fotógrafo e sua personalidade, a locação onde ambos estão muda; não muda fisicamente, mas muda a energia do local, e uma locação diferente da real é criada na fotografia.


Em nosso projeto "O Tom do Teles", cada modelo imprimiu sua personalidade na locação nos levando para lugares e tempos diferentes (Visite o nosso Instagram para ver mais desse projeto incrível!).

Em nosso último ensaio no Arco do Teles, a nossa top foi a modelo Flávia Rio.


E foi impressionante que ao dirigirmos a Flávia em cada locação do Arco do Teles ganhamos uma modelo diferente, uma impressão de temporalidade e localidade diferentes também!


Em alguns momentos tivemos a impressão de estarmos em bairros antigos com tons mais urbanos de Portugal.


Ainda temos a cidade de Granada na Espanha, que possui grafites impressionantes e que a energia do ensaio nos remeteu para lá.


A nossa top ainda nos lembrou que na Holanda tem ruas similares, com grafites (ela andou viajando pela Europa e conheceu esses lugares), bem como na Itália também.


A própria modelo ao ver as fotos no pós-produção ficou impressionada como a personalidade dela deu o "tom" do ensaio e definiu toda a fotografia com sua bagagem cultural de viagens realizadas.


A luz também é um fator considerável na ambientação da imagem e atitudes no momento da fotografia e em cada pose.


A nossa top teve um astral bem "camaleão", toda vez que a luz mudava, ela nos brindava com uma atitude diferente, mas repleta de personalidade em suas poses, com criatividade e beleza.


Mas vamos deixar sua imaginação viajar em nossas imagens e você poderá nos dizer para qual cidade que nossa fotografia te leva.


Deixe seus comentários, participe!

Até a próxima!


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Poses vs. "Poses"


Fotografia de moda depende muito da atitude da modelo e da capacidade do fotógrafo em promover uma direção assertiva na divulgação de produto, local ou conceito.

As poses realizadas são resultadas dessa interação entre o fotógrafo e a modelo, mas também de uma consciência corporal que permita a modelo entender o comando do fotógrafo e saber ainda assim se aquela pose não irá resultar em "dobrinhas" (é sim! até as modelos top como a Gisele Bündchen produzem dobrinhas em uma pose mal feita) e comprometer a imagem certa para aquele trabalho.


Existem bancos de imagens com poses, livros, e mais um punhado de recursos que um fotógrafo pode usar para criar um repertório de poses e usá-las em seus ensaios. Já para as modelos, recomenda-se um bom curso de formação de modelo, pois os instrutores irão ajudar a menina/rapaz a compreender o seu corpo, curvas ou falta delas, postura e como sua personalidade pode imprimir atitude na fotografia de moda.


Outra ferramenta que cria uma boa desenvoltura para ambos os profissionais (fotógrafo e modelo) é um curso de teatro. Esse tipo de curso melhora muito a comunicação, desenvoltura e consciência corporal própria e alheia. O teatro também irá fornecer uma capacidade de comunicação franca e direta entre os dois profissionais.


Do ponto de vista do fotógrafo, entender a luz (novamente isso??? Sempre a luz será o elemento mais importante da sua fotografia!) como atua na modelo e no que ela está vestindo/usando. A luz irá criar sensações única na sua fotografia, irá imprimir emoções de maneira sutil e definirá o tom emocional do seu editorial.


Lembre-se que do início ao fim de um editorial de moda, o mais importante, é promover o objeto comercial do trabalho. Esse objeto pode ser um produto, uma ideia ou a própria modelo.


Promover o objeto comercial significa que através das fotos do editorial, diversos gatilhos emocionais devem ser disparados em quem vê sua fotografia em uma publicação (revista, web, jornais, etc.).


Os gatilhos emocionais são disparados pelo conjunto de luz e poses da modelo, onde o observador se identifica com a cena congelada na imagem.


Esses gatilhos emocionais serão decisivos para a compra/contratação do objeto comercial divulgado no editorial.


Uma colega produtora me disse que um dos principais problemas de se fazer fotografia de moda no Brasil é que as modelos pensam que basta serem bonitas e terem corpos esculturais. Ela muitas vezes precisa trazer/contratar modelos de outros lugares porque as modelos aqui não investem em sua formação, somente em seu corpo.


Esse tipo de pensamento entre as modelos brasileiras acaba criando dificuldades e um conjunto limitado de poses, atrapalhando o processo criativo na promoção do objeto comercial, resultando em um editorial com imagens nada impactantes, sem assertividade e atratividade para o consumidor.


#ficaadica - invistam em suas carreiras se querem mesmo ser modelo e trabalhar no mundo da moda! Façam um bom curso de formação de modelos, invistam em uma segunda língua e desenvolvam uma boa comunicação. Para os fotógrafos, invistam em cursos, workshops, cliquem muitooooooo! Entendam como a luz provoca emoções e como o corpo humano fala. Sem essas coisas, suas fotos serão somente imagens sem alma; sem uma assinatura e identificação do seu estilo fotográfico.

A nossa top nesse post - Kezia Aurea, investiu em idiomas, fala francês, inglês e espanhol, além de ter cursado teatro também.

Espero que as fotos e o texto sirvam de inspiração e orientação, e que mostram também que não existem atalhos. Se você quer muito trabalhar com moda, terá de investir muito de você mesmo para atingir seus objetivos, sempre com muito trabalho e esforço.